About Us

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Aenean vulputate nisl arcu, non consequat risus vulputate sed. Nulla eu sapien condimentum nisi aliquet sodales non et diam. Duis blandit nunc semper rutrum congue. Phasellus sed lacus ut odio vehicula varius. Etiam iaculis feugiat tortor ac ornare.

Stay connected

Blog Post

Quociente Espiritual (QS) e corporativismo: inteligência espiritual para carreira e negócios
Desenvolvimento, Transição de Carreira

Quociente Espiritual (QS) e corporativismo: inteligência espiritual para carreira e negócios 

Com certeza você já ouviu falar sobre QI (Quociente de Inteligência). Muito provavelmente sabe o que é QE (Quociente Emocional). Mas conhece o QS, ou quociente espiritual?

Não dá para dizer exatamente que o termo é recente, mas ainda é pouco difundido. Em um momento de liberdade e diversidade, falar de espiritualidade no ambiente corporativo ainda pode ser encarado como tabu.

Mas, segundo a filósofa e física Dana Zohar, especialista de destaque no assunto, a Inteligência Espiritual não é apenas benéfica para as empresas, mas necessária para que as companhias sobrevivam no futuro, em um contexto de “novo capitalismo”.

Explico: inteligência espiritual está intrinsicamente ligada a propósito de vida. Seja a vida de um chefe, de um colaborador e até mesmo de um negócio.

Zohar, se formou na Universidade Harvard e tem pós-graduação no Massachusetts Institute of Tecnology (MIT). Seu currículo também inclui a Universidade de Oxford (Inglaterra), neste caso como professora.

Estamos, portanto, falando de uma acadêmica, de uma referência intelectual, não de qualquer guru espiritual cujo conhecimento é empírico.

A maior contribuição da norte-americana sobre o assunto é o livro QS Inteligência Espiritual, escrito em parceria com o psiquiatra Ian Marshall e traduzido no Brasil em 2010 pela editora Record.

 

Inteligência espiritual não está relacionada a religião

Ok, temos uma expert falando sobre espiritualidade, não sobre religião. Mas o que é, propriamente, quociente espiritual (QS)?

A inteligência espiritual foi categorizada como um terceiro tipo de inteligência, descoberta e discutida cientificamente após a inteligência racional e a inteligência emocional.

Enquanto a inteligência racional se encarrega de resolver questões de forma lógica e a inteligência emocional diz respeito à maneira como empregamos nossas emoções ao resolver desafios, a inteligência espiritual está ligada à decisão de quais desafios valem ou não a pena serem enfrentados de acordo com o propósito de cada um.

Vamos supor que você esteja em um cenário de conflito. Nesse contexto, o QI te apontaria a saída estratégica que te causasse menos ou nenhum dano. O QE te mostraria o equilíbrio entre tranquilidade e desespero para lidar bem com a situação. E o QS te perguntaria: lutar nessa guerra faz sentido para o que você espera de sua existência?

É a inteligência espiritual, portanto, que leva o indivíduo a desenvolver valores éticos e crenças que irão impulsioná-lo pessoalmente, profissionalmente e, de maneira geral, criativamente.

Segundo Zohar, a inteligência espiritual “fala da alma”, e esse é o principal ponto que a diferencia de qualquer religiosidade. É mais sobre o propósito existencial individual e menos sobre dogmas, tradições coletivas e até mesmo fé.

 

Como aplicar a inteligência espiritual no mundo corporativo?

Procurar entender a razão pela qual as situações se dão e as conexões entre acontecimentos, buscar refletir sobre as próprias ações e assumir responsabilidade por elas, ser honesto consigo e ter coragem para mudar o que foge ao seu propósito maior são alguns comportamentos que fazem parte da jornada espiritual.

Essa busca por um sentido existencial puramente pessoal dialoga com o corporativismo de maneira simples: colaboradores cujos propósitos individuais estão alinhados com os propósitos coletivos da empresa trabalham inspirados.

A criatividade, engajamento e performance aumentam à medida em que aquela pessoa – seja ela a dona da empresa, um chefe ou funcionário – trabalha com a convicção de que aquele esforço está consoando com um objetivo maior do que apenas gerar lucro. Para atingir àquele propósito, dedicar tempo e energia torna-se natural e prazeroso (por isso, menos estressante também).

Dessa forma, espiritualidade nos negócios corresponde a buscar, identificar e desenvolver conscientemente um sentido mais profundo de existência, de propósito relacionado à comunidade local e ao mundo.

Afinal, buscar o sentido da vida não vem sendo uma das principais questões da humanidade, desde os tempos de Sócrates? Quando não encontramos um propósito (ou qual é a “missão neste mundo”) além do dinheiro e consumo, acontece o vazio conhecido como crise existencial, cada vez mais comum no mundo moderno.

As pessoas questionam sua importância no mundo, diminuem suas escolhas de profissão, põem em xeque relacionamentos e duvidam de padrões comportamentais que seguiram até o momento.

 

Quociente Espiritual como ferramenta de negócios mais promissores

No mundo corporativo, a crise existencial se reflete em empresas que buscam o lucro imediato sem pensar nas pessoas envolvidas direta ou indiretamente, sem considerar a comunidade, a sustentabilidade e o meio ambiente.

Neste modelo econômico atual, no fim do dia as empresas empregam com práticas predatórias que afetam todo o ecossistema onde estão inseridas, incluindo o uso irresponsável de recursos naturais, condições de trabalho duvidosas (seja do ponto de vista do ambiente físico ou emocional) e desigualdade social.

A partir desta realidade, um novo mindset de negócios está aparecendo, seja em novas companhias ou desenvolvidos nas já tradicionais.

No futuro, o que Zohar chama de “novo capitalismo”, serão bem-sucedidas as empresas cuja visão a longo prazo incluam a proteção dos recursos naturais e pessoais: empresas “que se preocupam, sim, com o lucro, mas que querem ganhar dinheiro para desenvolver as comunidades em que atuam, proteger o meio ambiente, propagar educação e saúde”.

O McDonald’s já trabalha com iniciativas correspondentes ao mindset pautado no QS. O VP de Estratégia Global Mats Lederhausen iniciou projetos como a distribuição gratuita de vacinas antipólio na África, a luta contra plantações geneticamente modificadas, o uso de gaiolas maiores para galinhas e um trabalho para restaurar ecossistemas danificados, por exemplo.

Da mesma forma, temos o exemplo da indiana Amul, que atua na distribuição de leite. A empresa compra diariamente leite de camponeses cuja produção vem de uma única vaca e com isso inclui pequenos produtores e pessoas de baixa renda na competição com grandes fazendeiros.

 

Ajuda profissional para a busca dos propósitos na carreira e gestão de pessoas

Tanto a trajetória profissional de um indivíduo quanto a gestão do RH das empresas podem precisar de apoio especializado para identificar e desenvolver seus propósitos, traduzidos em objetivos profissionais e missão corporativa, respectivamente.

A StautGROUP tem como propósito colaborar com o desenvolvimento de carreiras e companhias através da valorização das pessoas e vem realizando tal missão há mais de 20 anos.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *